Para Abraçar o Infinito

Para Abraçar o Infinito

O Último Poema do Pensador Mineiro

Augusto de Lima


O autor, em foto publicada na biografia
“Augusto de Lima, Seu Tempo, Seus Ideais”

0000000000000000000000000000000000000000000000

Nota Editorial:

No poema a seguir, a ideia de “matéria-prima
elementar” corresponde ao conceito teosófico e
oriental de “mulaprakriti”, a matéria sutil e primordial,
a matéria indiferenciada, a luz astral – o “akasha” hindu.

Os versos concluem com uma referência ao círculo
infinito,  o círculo de Pascal, “cuja circunferência não
está em parte alguma, e cujo centro está em todas as
partes”. Helena P. Blavatsky alertou para o fato de que,
embora este conceito seja atribuído a Pascal, na verdade
foi concebido antes pelo filósofo Nicolau de Cusa.

O poema foi publicado sem indicação de título na
principal biografia de Augusto de Lima [1]. Ao descrever a
chegada do final da vida do pensador brasileiro, o biógrafo
escreve a seguinte introdução a estes versos cosmológicos:

“Nenhum dever lhe resta a cumprir. Nenhuma
ambição o tortura. Nenhum remorso o atormenta. No
crepúsculo que o envolve lentamente, sua arte readquire
o tom solene do passado, e ele canta pela última vez (…). ”

(Carlos Cardoso Aveline)

00000000000000000000000000000000000000000000000000000

 

Que procuras no espaço, olhar faminto,
através das camadas siderais?
Réstia de luz, órfã de um foco extinto,
a que destino vais?

Que te falta em  ti mesmo, ser inquieto?
Fração de um Todo excelso que não vês,
quando serás completo?
Hoje, amanhã, depois, nunca, talvez!

E, contudo, te exaures nas pesquisas
da fugitiva Essência. Esforço vão!
Ela, impalpável, voa sem balizas
na divina amplidão.

Se nem chegas ao sol, corpo tangível,
nem à matéria-prima elementar,
como podes prender o Incognoscível
e o Infinito abraçar?

Volve a ti mesmo. Prostra-te. Contrito,
tudo verás da Fé no esplendor.
Que importa que haja um círculo infinito,
se cada átomo é um centro refletor? 

 

NOTA:

[1] “Augusto de Lima, Seu Tempo, Seus Ideais”,  de  José Augusto de Lima, 322 pp., Ministério da Educação e Cultura, RJ, 1959. Ver p. 318.

000

Para conhecer a teosofia original desde o ângulo da vivência direta, leia o livro “Três Caminhos Para a Paz Interior”, de Carlos Cardoso Aveline.

Com 19 capítulos e 191 páginas, a obra foi publicada em 2002 pela Editora Teosófica de Brasília.   

000