Camões, Sobre o Amor Altruísta

Camões, Sobre o Amor Altruísta

Um Fogo Que Arde Invisível,
Um Solitário Andar por Entre a Gente

Luís de Camões


Luís de Camões (1524-1580) é considerado o maior poeta da língua portuguesa. A
imagem acima mostra uma medalha de bronze feita quatro séculos depois da sua
morte. O verso à direita, embaixo – “…e aqueles que por obras valerosas se vão da
lei da morte libertando” – é claramente teosófico pois fala da conquista gradual da
imortalidade através da prática do altruísmo. (“Os Lusíadas”, Canto I, Estância II.)

 

 

Amor é fogo que arde sem se ver;
É ferida que dói e não se sente;
É um contentamento descontente;
É dor que desatina sem doer;

É um não querer mais que bem querer;
É solitário andar por entre a gente;
É nunca contentar-se de contente;
É cuidar que se ganha em se perder;

É querer estar preso por vontade;
É servir a quem vence, o vencedor;
É ter com quem nos mata lealdade.

Mas como causar pode seu favor
Nos corações humanos amizade,
Se tão contrário a si é o mesmo Amor?

000

O soneto acima está publicado nos websites associados desde o dia 23 de abril de 2021, tendo sido reproduzido de “Obras Completas”, Luís de Camões, volume I, Redondilhas e Sonetos, Livraria Sá da Costa Editora, Lisboa, quinta edição, 1985, 355 pp., ver p. 232.  Clique para ver o poema em língua inglesa: “Camões, On Atruistic Love”.

000

Leia mais:

* “A Ioga de Cabral e Camões”. 

* “O Casal do Futuro”.

* “O Casal é o Princípio da Vida”.

* “O Casal Como Centro da Civilização”.

* “Textos Sobre a Teosofia na Família”.

000

Helena Blavatsky (foto) escreveu estas palavras: “Antes de desejar, faça por merecer”. 

000